Alimentação Natural: Preciso fazer a transição?

Pensando em trocar para a alimentação natural (AN)?

Se a resposta é sim, você precisa saber como fazer isso da melhor maneira possível.

Depois de escolher o tipo de AN que melhor se adapta as necessidades do seu pet, com a orientação de um profissional habilitado, você precisa de muita calma. A transição da ração para a AN deve ser gradual e dura, geralmente, entre cinco e sete dias. Durante esse período, você deve diminuir gradualmente a quantidade de ração e aumentar a porção de AN. Começe o primeiro dia oferecendo 2/3 de ração e 1/3 de AN. Mas cuidado! A porção diária oferecida não deve ultrapassar a indicada para o seu pet. Afinal, não queremos que ele sofra as consequências de ingerir uma porção menor ou maior que a indicada. Outra coisa, o número de refeições deve ser mantida, se você alimentava seu pet duas vezes por dia, deve continuar fazendo isso.

Mas você deve estar se perguntado: por que essa transição gradual? A AN não é mais saudável? Por que não trocar de uma vez?
Para responder a esta pergunta, é preciso levar em consideração a fisiologia digestiva do seu pet. A transição gradual permite que o organismo se adapte a nova alimentação sem sustos. A troca brusca, pode causar vômito, fezes amolecidas e até mesmo diarreia, e a última coisa que queremos é causar qualquer tipo de desconforto para o pet durante esse período.

Então agora que você sabe como deve fazer, Boa Sorte!

Você fez a melhor escolha e em breve verá os resultados.

Como brincar e exercitar meu pet durante a pandemia?

O tédio toma conta, a preguiça e a tristeza batem na gente e o sofá vira o melhor amigo neste período, histórico e único pelo qual estamos passando. Os vovôs em casa e, quem pode ficar, também. Esta é a recomendação do nosso ministro da saúde, reiterando o que já foi divulgado pela OMS, a Organização Mundial de Saúde.

Chega de tristeza!! Chega de preguiça!

Para acabar com o marasmo, pesquisamos uma série de atividades e brincadeiras para você desfrutar com o pet dentro ou fora de casa (no pátio), durante este período de reclusão.

Foto: FreeImages

Para quem não tem quintal:

Como crianças!

Que tal fazer uma seção de brincadeiras com o seu peludo? Nesse quesito temos muitas opções, como brincar de bolinha (arremessar e buscar), pega-pega correndo pela casa, cabo de guerra, mordedores, ossos, cordas. Tudo torna-se uma grande diversão se o dono estiver brincando junto.

Estímulos mentais

São aquelas brincadeiras que, além de divertir o cão, fazem com que ele raciocine. Um bom exemplo são as brincadeiras de caça ao tesouro ou esconde-esconde.

Podemos colocar petiscos dentro de caixinhas, esconder pela casa e logo após liberar o pet para procurar. No início, para que o amigão entenda a brincadeira, coloque em locais mais fáceis de encontrar e, aos poucos, aumente a dificuldade.

Só para gatos!

Para gatos, os brinquedos mais comuns são: fitas e objetos com penas pendurados em uma maçaneta; bolinhas tipo ping-pong com penas; caixas de papelão empilhadas cheias de passagens entre elas e arranhadores. Cada pet terá sua preferência e, por isso, é importante descobri-la.

Gastar energia para comer

Nada como um passatempo que tenha por objetivo alimentar-se. Experimente dar a refeição do pet em brinquedos recheáveis em vez de, simplesmente, colocá-la no potinho de comida. Existem diversos brinquedos comedouros onde podemos colocar comida ou ração dentro e o animal tem que interagir com o objeto para obter a guloseima que está dentro.

Truques ou comandos

Se o seu cachorro sabe fazer truques, utilize os dias chuvosos para aperfeiçoar os que ele já tem conhecimento e para ensiná-lo novos. Se seu cãozinho não sabe fazer nenhum truque, então, comece com comandos básicos, como “Senta”, “Deita”, “Dar a mão” etc. O treino de comandos e truques é um ótimo exercício para o pet, porque, além de exercitar a concentração e a obediência, gera gasto de energia.

Massagem

Você pode fazer uma boa massagem no seu amigão, pois além de criar uma relação de afeto entre o tutor e o pet, a atitude pode ser benéfica para a saúde do bichinho. A massagem relaxa e ajuda na circulação sanguínea. Para cães mais velhinhos auxilia na manutenção do tônus muscular e, em cãezinhos mais novos e cheios de energia, uma boa sessão de massagem contribui para acalmar o peludo.

Foto: Vicki Reixach

Para quem tem quintal:

Pista de obstáculos

Com objetos que você tem casa, crie uma pista de obstáculos para o pet. Vassouras, almofadas, banco, corda, cadeira e pufes são itens ótimos para a realização dessa atividade. A ideia é criar uma “pista” para o seu animal pular, descer, subir, correr.

Para isso, será necessário treinar o bichinho em cada um dos obstáculos separadamente, induzindo-o, com um petisco, a fazer o movimento que você deseja. Por exemplo, para ele passar por baixo de uma cadeira, passe a sua mão com o petisco por baixo dela e faça ele te seguir. Quando ele passar, dê o petisco e elogie-o.

Independentemente de qual seja o desafio, respeite sempre os limites do seu cão e se atente para fazer obstáculos firmes, que não caiam quando forem usados.

Adestramento

Você pode usar o tempo livre para ensinar novos comandos para o pet. Adestrar é uma ótima atividade para entreter a família e, ao mesmo tempo, oferece estímulos físicos e mentais para o animal.

Esses são apenas alguns exemplos de brinquedos e atividades que você pode fazer com o peludo. Use a criatividade para criar algo diferente! Mas, lembre-se, supervisione o animal a todo instante.

Ração na garrafa pet

Coloque toda a ração do bichinho em uma garrafa pet e faça alguns furos nas laterais, para que ele coma de pouco em pouco e de forma divertida. No começo, faça furos grandes, mas depois diminua-os um pouco para tornar a brincadeira ainda mais interessante. Dessa forma, o animal vai se entreter com a garrafa e terá divertimento.

Sorvete!

Pegue um brinquedo que possa ser colocado no congelador, normalmente são aqueles de borracha ou plástico mais resistentes. Por exemplo, o Kong (ou similar), geladinho, recheado com ração úmida ou até mesmo com papinha de frutas (veja com o veterinário o que o cão pode comer) é diversão garantida. Seu cão vai adorar esse sorvetinho feito especialmente para ele!

Foto: Caroline Kjall

Acabou a energia? Peça Panela do Pet!

Foto: BlueSky

Fontes:

Correio do Povo – O que fazer com pet nos dias de chuva?
Cão Cidadão – Dicas

É possível deixar a ração mais gostosa de forma saudável?

Todos os dias recebemos aqui na Panela do Pet um enorme número de e-mails, telefonemas e mensagens de tutores apreensivos, relatando que seus peludos não querem mais saber de comer. Cheiram, olham, cheiram, cheiram e viram as costas. O que o tutor faz? Recorre ao famigerado sachê. Oh, NããããooOOO! Com ainda mais conservantes, corantes, palatabilizantes e outros “antes”, os sachezinhos “deliciosos” acabam sobrecarregando ainda mais o organismo do seu pet, além de causarem sobrepeso e todas as suas consequências. Mas e agora, como fazer isso da forma mais saudável possível? Calma, a gente explica.

Que as rações tradicionais não são a forma de alimentação ideal, nós já sabemos. Mas para quem ainda não conseguiu mudar para a alimentação natural, seja por falta de tempo para preparar ou por condições econômicas, a Dra. Fabíola Monteiro preparou este vídeo com uma dica super saborosa pra você!

Quer preparar alimentação natural em casa? A Dra. Fabíola Monteiro proporciona consultas online (pede exames, conversa com você por Skype, WhatsApp, etc) e te auxilia a preparar uma dieta balanceada, do jeitinho que o seu amor de quatro patas precisa para viver bem. Mande um e-mail para vetfabiola@paneladopet.com.br, marque uma consulta e mude já a vida dele!

Conheça o Bento

Fotomontagem: Panela do Pet

O Bento foi adotado com seis meses, em uma pet shop de Porto Alegre, em 2005. Era um filhote que aprontava muito e sempre demonstrou ter vontade própria, pedia pra ver televisão, pedia para fazer suas necessidades, pedia sua ração todos os dias, pedia colo, pedia cafuné, tudo numa boa, até os seus oito anos, quando precisou fazer uma cirurgia no joelho e, sob os efeitos da medicação diária, acabou perdendo o apetite por tudo. Não tinha jeito de fazer este Yorkshirezinho comer.

Bento com 6 meses: Panela do Pet

 

Bento brincando de esconde-esconde: Panela do Pet

Foi então que a mamãe do Bento, a médica veterinária Fabíola decidiu que sairia em busca de alternativas mais apetitosas e saudáveis do que as conhecidas rações. Após extensa pesquisa na Internet e através de colegas de profissão, Fabíola descobriu a Alimentação Natural. Após muita leitura, ela foi atrás dos ingredientes mais gostosos e importantes por suas funcionalidades, e foi assim que surgiu a primeira receita de Panela do Pet, que ainda nem sonhava em ser produto. Era a comida do Bento. Sem muita insistência, como num passe de mágica, o menino sem apetite atirou-se naquele pote de comida como se estivesse em uma piscina de delícias! – Temos que levar isso para todos! Pensou a médica.

Como levar um alimento completo, sem farelos, 100% natural, com diversas receitas e com tantos ingredientes que fosse quase impossível de enjoar, para o máximo de pessoas possíveis? PLIM! DESIDRATAÇÃO! Com ventilação e calor era possível preparar os alimentos cozidos de forma que durassem até um ano sem precisar de geladeira. E dava pra mandar pelo correio! Em 2013, contra a maré das grandes multinacionais, com algumas economias e a força de vontade de uma turma de amigos de diferentes áreas, surgiu a Panela do Pet. O alimento completo para cães e gatos que conquistou os tutores e os pets mais exigentes do Brasil.

Abóbora moranga: fonte rica em nutrientes.

Hoje, em 2019, com 14 anos e alguns dias, Bento está com a cara de garoto que sempre teve. Pede pra ver televisão, pra fazer xixi, cocô, pede colo, cafuné, sobe escadas, pula do sofá e agora pede Panela do Pet todos os dias.

Mude a vida deles com Panela do Pet.

Bento vendo filme: Panela do Pet

Terapias complementares ganham o mundo pet

De acordo com a reportagem do G1, acupuntura, reiki e aromaterapia são terapias complementares já conhecida há milhares de anos pelos seres humanos e que agora vem ganhando novos adeptos: os pets. Esses métodos buscam o bem-estar emocional e físico dos pacientes e também podem ser aplicadas nos animais.

Foto: Reprodução

Outra forma de terapia que tem feito bem para os animais e está sendo muito utilizada é a acupuntura.

Uma técnica milenar chinesa, que utiliza agulhas em determinados pontos do corpo dos bichos para melhorar a saúde deles. A aplicação é feita por um veterinário especializado nessa técnica.

A médica veterinária Valéria Oliva aprova esse tipo de terapia em cães. Segundo ela, é um tratamento complementar que tem se tornado cada vez mais frequente por causa dos benefícios.

Foto: Reprodução

Confira aqui a reportagem completa com vídeo.

Socializar é preciso!

A socialização é uma das chaves para se ter um cão equilibrado e feliz!

Foto: Fashion Pet

Previne problemas de comportamento como o medo, depressão, estresse, ansiedade e agressividade. Assim como acontece com as pessoas, os animais também podem desenvolver transtornos compulsivos devido a alterações psicológicas. Esses transtornos resultam em comportamentos repetitivos ou manias, como morder a própria cauda, lamber repetitivamente um mesmo local ou latir constantemente.

É importante lembrar que os comportamentos compulsivos não são apenas uma situação incômoda, mas que também cães precisam vivenciar o mundo exterior, conhecer pessoas e outros animais para serem estáveis emocionalmente. Um cachorro sociável, que apresenta um comportamento tranqüilo e receptivo com outros, é um cão considerado psicologicamente saudável.
O objetivo das creches para cachorros, é oferecer um lugar para o animal ficar durante o período que o dono está fora, estimulando o gasto de energia, desenvolvimento e socialização através de atividades e convívio com outros cães.

Foto: Fashion Pet

A Fashion Pet tem como objetivo, proporcionar uma boa qualidade de vida para seus cães, através da diversão, disciplina e exercícios, garantindo um equilíbrio físico e mental do seu pet. Tendo como diferencial uma equipe de monitores em tempo integral, treinados e qualificados em comportamento canino, apoio veterinário, amplo espaço de pátio , mais espaço gramado e piscina.

Autor: Equipe Fashion Pet

Vegetais contra o câncer

Os resultados de um estudo publicado em 2005 no Journal of American Veterinary Medical Association indicaram que a simples inclusão de vegetais de coloração alaranjada e verde-escura três vezes por semana à ração de cães da raça Scottish Terrier foi o bastante para reduzir em 70% por cento o risco de câncer de bexiga nesses peludos.

Outro fato já comprovado é que uma alimentação natural balanceada aumenta a força do sistema imunológico dos pets, prevenindo vários tipos de dermatites, alergias e parasitoses.

Muitos animais que não reagem a tratamento de vários tipos de doença, também mostram melhoras significativas ao consumir este tipo de alimentação.

Grande parte das rações industrializadas utilizam, em sua composição, substâncias classificadas como cancerígenas pela Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer, um braço da Organização Mundial de Saúde. Outro fato alarmante é que o excesso de corantes e minerais contidos em alguns tipos de alimentos industrializados é uma das principais causas de problemas renais nos animais.

Consulte seu veterinário, busque sempre o melhor para seu pet e qualquer dúvida, converse com a Panela do Pet.

Link para o artigo científico (em inglês).

Fontes:

Cachorro Verde
Revista Exame
O Popular
Portal Pets

Foto: @dog_rates

Como manter os dentes saudáveis

Olá apaixonados por pets saudáveis!

Hoje vamos conversar sobre o tema mais recorrente nas minhas consultas nutricionais: dentes. Em 80% dos atendimentos os tutores questionam sobre o acúmulo de alimentos nos dentes pois “a ração tradicional é dura e limpa os dentes” ou “sempre ouvi dizer que alimentação natural deixa resíduos”. Bom, vamos aos fatos.
A ração tradicional é dura: verdade, ela faz o que chamamos de remoção mecânica, por ter consistência rígida, raspa os dentes e retira os acúmulos. Contudo, os farináceos e subprodutos presentes nesses alimentos modificam o pH bucal, deixando a saliva ácida e propiciando acúmulo de tártaro e cálculos dentais. Então, além de oferecer produtos multiprocessados, com carboidratos em grande quantidade e de má qualidade, esse tipo de alimento faz com que a saliva do pet fique com o pH mais baixo, ácido, causando, assim, mais problemas dentários. Com dentinhos sujos e hálito forte, o pet precisa ir mais ao dentista e recorrer a profilaxias dentárias (limpezas) e, como sabemos, sob anestesia geral.

Com a alimentação natural, mesmo na dieta cozida, o esperado é que não haja acúmulo como com as rações secas pois o pH não fica tão ácido e não há carboidratos de má qualidade ou em qualidade excedente às necessidades deles. Além de não acumular, podemos recorrer a ingredientes naturais para a limpeza dos dentes. Para animais saudáveis e sem alergias, um pedaço de cenoura crua pode ser um excelente petisco, pois limpa os dentes e ainda diminui a ansiedade!

É preciso pensar na alimentação dos nossos pets de forma consciente, afinal, quem não deseja mantê-los saudáveis, bem nutridos e por mais tempo ao nosso lado? Se para nós as recomendações são alimentação saudável e exercícios, por que para os pets seria diferente? Saúde para os dentinhos, saúde para os peludos!

Ficou com dúvidas? Mande um e-mail para sac@paneladopet.com.br.

Está sem tempo de preparar uma alimentação natural completa pro seu amor de quatro patas? Peça Panela do Pet!

Na próxima conversa falaremos sobre as fezes: mitos e verdades na alimentação natural. Não percam!

Meu cachorro não quer comer! O que eu faço?

Ao contrário dos humanos, os cães não precisam variar o cardápio, desde que comam um alimento completo e balanceado. A inclusão deste hábito na rotina deles pode ser bastante prejudicial à saúde.

Um cão saudável não deve ficar mais de 2 dias sem comer. Eles eram caçadores e nem sempre conseguiam alimento, por isso têm uma capacidade de ficar em jejum, porém não por muito tempo. Mas lembre-se de que eles JAMAIS podem ficar sem água.

Um dos motivos da falta de vontade de comer pode ser você. Qual sua reação quando ele não come? Se a resposta for apreensão, angústia, saiba que ele sente isso e está só querendo chamar a sua atenção para pedir aquele petisco saboroso ou simplesmente para ganhar um carinho extra. O mais importante nessas horas é não ceder.

Outro motivo pode ser alimentação em excesso. Isto é, a porção servida pode estar sendo demais, então ele come e mesmo assim sobra comida. Siga corretamente a indicação no rótulo do alimento ou pergunte ao veterinário de confiança.

A causa mais comum foi citada no primeiro item: O petisco. Ao ganhar petiscos com muita frequência, o cãozinho fica com o “apetite caprichoso”, ou seja, não quer mais aquela ração “chata” e vai tentar convencer você de qualquer maneira. Os cães de pequeno e médio porte são experts nisso, pois sabem muito bem que são os bebês da casa e que você vai fazer de tudo para agradá-los.

“Preciso trocar a ração todo o mês, senão ela come muito pouco!”. Sabia que pode estar tudo normal? Quando o animal entra em contato com uma comida nova, ocorre o chamado “efeito novidade”. Ele vai comer avidamente por umas duas semanas e, se não houver controle, poderá até ficar obeso. Mas depois passa e ele começa a comer normalmente, então você pensa que ele “enjoou” da comida, vai lá e troca por outra.

Por último, pode ser que a área de defecação esteja muito próxima dos potinhos. Para este caso a solução é muito simples, basta afastá-los dali.

Como fazer pro cachorro voltar a comer

Crie o hábito de servir em horários fixos. Três vezes por dia para filhotes e duas vezes para cães adultos. Sirva a alimentação, aguarde entre 15-30 minutos e retire, mesmo que ele não tenha comido. Se o coração amolecer, tente mais uma vez depois de 10 minutos. E depois, somente na próxima refeição. Ele vai acabar sentindo fome e comendo.

Não reaja de forma diferente ao servir. Simplesmente deixe a comida e saia. Não ofereça petiscos com frequência e nem perto da hora da comida.

Experimente servir uma porção menor. Ele vai ver que a comida está escassa e “pode faltar”. Seu instinto vai falar mais alto e ele vai comer.

Procure oferecer alimentos mais palatáveis e de fontes nobres. A alimentação natural é uma ótima alternativa, desde que você recorra a um veterinário nutricionista. Se não tiver tempo de preparar em casa, procure produtos certificados como balanceados e completos.

Acostume-o a receber alimentos de pessoas diferentes, para que você não sofra se precisar fazer uma viagem e tiver que deixá-lo com alguém.

Se ele apresentar comportamento fora do comum, como preguiça ao buscar a bolinha ou indisposição, procure um veterinário. As dicas só valem para animais saudáveis.

Seja persistente, não ceda. A alimentação também é um exercício de adestramento. E boa sorte! Lembre-se: qualquer alteração durante trocas de alimentação requerem atenção. Caso haja enjoos, amolecimento de fezes ou o pet fique mais de 2 dias sem comer, leve seu mascote imediatamente ao veterinário. Saúde não é brincadeira!

Se você procura uma alimentação saudável, prática e difícil de enjoar, peça Panela do Pet. Panela do Pet é uma comida de verdade, com mais de dez ingredientes 100% naturais, que vem desidratada e você prepara com água quente. Completa e feita com muito amor, Panela do Pet poupa o trabalho de quem deseja adotar alimentação natural para seus peludos. A porção diária e os valores você encontra na loja virtual.

Quem faz a Panela do Pet?

Da esq. para a dir.: Fabíola Monteiro, Rafael Oliveira e Cassandra Monteiro.

Olá, apaixonados por pets saudáveis!

Seguindo sobre o embrião, Panela do Pet.

Depois de toda a correria com a majestade Bento, o rei da casa 😱🤣🐶, era hora de estruturar a empresa. E, para montar a família Panela do Pet, nada melhor do que usar os membros da própria família. Eu, esposo e irmã iniciamos estudos sobre as burocracias, formulações, formas de fazer, enfim, tudo sempre pensando “como se fosse para o Bento”. Nada poderia sair errado, nada poderia ser “mais ou menos”, nada poderia ser menos do que o máximo possível. E assim, com alto nível de exigência, de cobrança interna e muita força de vontade, nasceu a Panela do Pet!

A empresa que baseia-se em excelência na qualidade dos produtos, respeito e atenção aos clientes e imenso amor aos pets.

Assim é a Panela do Pet, o cuidado inicia na nossa cozinha e chega até a pratinho da sua casa.

Nos próximos posts você vai saber um pouquinho mais sobre cada membro da nossa equipe.

A Equipe